Industrial

2

Primeira Geração: Música Concreta e Contemporânea (1940-1960). Pode se dizer que os pioneiros do que se consideraria Industrial no futuro foram os compositores da música concreta e futurista. Formado por compositores eruditos e com um posicionamento de vanguarda (avant-garde), estes movimentos permaneceram em contato direto com o experimentalismo e a desconstrução sonora.

A partir dos elementos presentes no final da música modernista e início da contemporânea, acabou se iniciando as primeiras apresentações de música eletrônica. Já durante os anos 50, começou a se propagar o conceito de drones, perpetuado por La Monte Young. Os representantes mais notáveis da primeira geração foram Luigi Russolo, Pierre Boulez, Karlheinz Stockhausen, Edgar Varese, entre outros.

Segunda Geração:

Krautrock e Pós-Punk (1960-1980)

Influenciados pela geração avant-garde e pelo rock progressivo da época, alguns compositores resolveram divulgar a música experimental através de grupos de rock.

Silver Apples foi uma das bandas pioneiras deste cenário, assim como a cena do krautrock com o Neu!, Kluster e o influente Kraftwerk. Estas bandas desbravariam o conceito de música experimental através da música popular. Algumas décadas depois, bandas no início do pós-punk (e algumas até anteriores a ela) também se interessaram pelo ruído e o experimentalismo eletrônico, como o Pere Ubu, Suicide, Killing Joke e o Clock DVA.

Terceira Geração:

Música Industrial (1970-1980)

A terceira geração surgiu a partir do momento que o termo “música industrial” foi cunhado e passando finalmente a ser considerado um autêntico gênero musical. O nome “Industrial Music for Industrial People” foi definido por Monte Cazazza para representar o selo independente do Throbbing Gristle, levando a ideia de uma música criada para uma nova geração de pessoas, sendo toda a anterior, “agricultural”. Depois de um tempo, porém, ele foi reinterpretado como se representasse uma “estética industrial”.

Surgiu assim uma série de compositores que adotaram este gênero como o próprio Throbbing Gristle, Einstürzende Neubauten, Test Dept e a primeira fase do Cabaret Voltaire. A produção desses artistas não se limitava à música, mas também incluía performances, instalações e arte gráfica.

Logo depois, durante os anos 80, também se firmou o sub-gênero do noise\harsh noise voltado para uma abordagem mais direta e ultra-minimalista (o gênero ficava entre o puro ruído da distorção e a microfonia extrema). A cena se fortaleceu muito no Japão, com artistas como Merzbow e Masonna.

Quarta Geração:

Crossovers e o Pós-Industrial (1990-2000)

Esta geração, talvez a mais popular, se iniciou a partir da fusão de gêneros e seu encaminhamento para o mainstream. Alguns destes crossovers já haviam sido inventados em décadas anteriores, mas agora elas atingiriam de fato o grande público.

Incluí-se misturas do industrial com a música dançante e o synthpop, conhecido como EBM e representada por bandas como Skinny Puppy, Front 242 e Nitzer EBB. Já outras bandas como o Atari Teenage Riot resolveram misturar o industrial com o hardcore techno. Outros preferiram se aprofundar na música ambiente, ficando conhecida como isolationism ou dark ambient.

A fusão mais popular de todas sem dúvida foi o rock industrial, cujo maiores representantes são o Nine Inch Nails, Marilyn Manson, e o antigo Killing Joke, Outro termo, ainda mais controverso, seria o metal industrial de bandas como KMFDM, Ministry e Rammstein

Quinta Geração:

Do Experimental ao Pop (2000-atualmente)

Com os crossovers em alta e a sua adaptação ao mainstream, foi notório a perda dos valores experimentais dentro do gênero. Logo o metal industrial passou a ser considerado “rock com qualquer tipo de música eletrônica”, um termo extremamente controverso considerando que as raízes do industrial não se encontram na música popular e sim no experimentalismo e na desconstrução, afirmando que certas bandas poderiam ser mais encaixados no termo new metal do que no industrial em si. Esta questão passou a ser debatida ao se observar as características de bandas como Rammstein e Marilyn Manson, que possuíam poucas relações com o termo de origem. Outros fãs porém, são mais saudosistas com os novos grupos, destacando-se Celldweller, Dope, Static-X, Deathstars, entre outros.

Sexta Geração:

Círculos Fechados (1980-atualmente)

Com a possível banalização do termo “industrial” pelos gêneros de fusão e outras subculturas (como roqueiros e góticos), muitos dos ditos amantes da música industrial decidiram isolar-se completamente do que para eles seria o sequestro do industrial pela chamada indústria cultural, sendo assim, esta geração enfatiza uma séria de princípios bem como uma segregação total da cena industrial em relação á qualquer outra e a ultra valorização do espírito contracultural da música industrial, sendo expressa tanto no experimentalismo e no espírito vanguardista bem como em ações diretas.

Tal cena circunda os estilos mais extremos da música industrial, os quais evoluíram diretamente da música industrial original, sendo os principais o power electronics das bandas Genocide Organ e Suttcliffe Jugend, e o death industrial de bandas como o Grey Wolves. Tais estilos são evoluções naturais da música industrial não tendo contato com nenhuma outra cena, seja eletrônica ou rock.

A partir de 2004, no cenário do industrial dançante, as versões mais pop do EBM como o futurepop começam a despencar, essa queda é seguida do surgimento do industrial hardcore (mistura de gabber e frenchcore com o industrial), technoid (meslca de IDM com noise rítmico) e o anhalt EBM (EBM com fortes influências punk rock/oi!)